Emília Goulart

Minha foto
Araçatuba, São Paulo, Brazil
Escritora,poetisa, contista,cronista, romancista, artista plástica. Costureira da arte.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

UM POUCO DE MIM



Este mim que fugiu da mimada filha única, para aprender a repartir o pão com uma ninhada de primos filhos de uma tia. A tia mais querida do mundo.

Foi com ela que aprendi o muito que sei de educar e amar. Foi com ela também que aprendi a embalar os sonhos e só desembalá-los quando o momento for oportuno. Foi assim que ocultei meu grande sonho de ser escritora.

Tornei-me costureira muito cedo e foi nessa honrosa profissão, que já na adolescência dei meus primeiros pontos. Lembro-me bem de ter costurado uma perda com pontos de saudade, depois de muitos furos nos dedos fui trabalhar como secretária em um consultório, o médico era competente e muito mal humorado.
 
Descobri logo que poderia costurar aquele mau humor com pontos de ternura, porém, esses pontos foram virando um nó tão mal compreendido que me obrigou a procurar um novo emprego. Ele ficou tão ofendido que rasgou o pano da amizade e por pouco não o jogou na lama.

Continuei com minhas aulas de costura, aprendi que tem o ponto e a linha certa para cada pano. Para aquele pano eu havia soltado linha.

Apreendi a lição e continuei costurando os panos. Ao aprender o ponto certo do amor casei, mas tive o cuidado de costurá-lo com linha apropriada, pois o casamento é um tecido muito frágil, é quase um papel de seda, rasga-se com muita facilidade, não envolvam crianças com este pano, sem ter a certeza de que ele foi bem reforçado com os pontos do amor.

É uma árdua tarefa, muitas vezes basta um ponto errado para por a perder um belo trabalho.
Eu, com as experiências da vida, mais os ensinamentos da minha tia, que me avisou: leve no enxoval uma boa quantidade de paciência, uma grande dose de respeito e linha, muita linha para dar os pontos necessários de amor. Cheguei aqui, o tecido continua intacto apesar de ter embalado cinco crianças e agasalhar atualmente vinte aves aninhadas sob nossas asas.

O sonho que embalado guardei, estou pacientemente desembalando. Surge aqui e acolá algumas crônicas, poesias e contos assinados por mim, aquela “mim” que escapou dos mimos pelas linhas tortas escritas por Deus, espera em breve estar assinando romances.
 
Emília Goulart

4 comentários:

  1. Olá, amiga!
    Seja bem vinda a este universo. Tenho certeza que nos trará muitas alegrias com os teus textos, excelentes e reflexivos, como sempre.
    Sou a sua primeira seguidora. Que honra!
    Sucesso
    Rita Lavoyer

    ResponderExcluir
  2. Olá, Emília, estou vendo progresso. Mostra pra moçada que jovem é aquele que não desistiu da vida... Parabéns!
    Seu blog já está lincado ao meu.
    www.blogdoconsa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. E eu sou o segundo....meus cumprimentos pelo belo blog. agora é só se filiar à ciadosblogueiros.blogspot.com. Sucesso.

    ResponderExcluir
  4. maravilhoso, e mostramos mesmo aos mais jovens,
    que jamais deseistimo da vida,por mais dificil
    que seja. Parabéns!!!!

    ResponderExcluir